segunda-feira, 4 de maio de 2015

Onomatopeia

O fiasco da escrita crua, sem moldura,
será que dura?
Não é por pretensão que se perpetua
se agora é contada.
Escriturada.
                   O que mais pode querer a mão calada?
                        se finda o calo na unha amarelada
                              que mergulhada em água clara
                                    livre do colorido que a doença emprestara
                                            ajeitou enfim o cabo da panela ensebada.
Quanto tempo a fome dura?
Desde a semana passada.

Um rosto varrido em verde carne exposto:
Qual o gosto?
Retificado pra troféu e medalha
                                                   Quantos ais tinha aquele rosto?
                                              Agora não mais
                                        Não ais
                                  Sem paz
Aquele rosto era popularesco
Nada não se assemelhava nele na calçada

Raríssimo na sala.
 Aquele-aquela
Tínhamos
Temos
Eu e tu
O agora-já
Já passou
Está sendo
Ficamos mais velhos dizem
.
.Ficamos apenas.

Finda aqui o rosto
pretenso.
Reitero:
                           O gosto não acaba na escrita
                           O rosto não acaba com o gosto
                                                            Eu gosto de ti
E do que respira
Será que a mosca respira?
Certamente ela não morrerá no agora-já

Nem daqui a pouco
Nem amanhã.
                                                 Morre mais gente que mosca
                                                 Fica mais gente sem o gosto

.
                                                                                                                             Rafaela Sena