sábado, 9 de novembro de 2013

Do portão pra dentro


Do portão pra dentro é silêncio.
Abraços esquecidos
Livros empoeirados
Recordações tamanhas
Preces na madrugada
Do portão pra dentro não há aniversários.
nem noites de ano novo
não há paredes fortes o bastante,
para o sol do meio dia.
nem beijos de amor eterno
nem banhos de chuva
Do portão pra dentro é solidão.
Coração que não acelera nenhum instante
Coração que não sabe de futuro
Desamores de fim de tarde
Do portão pra dentro é portão.
Fechaduras
Esperança de brisa leve
Esperança de despedidas.

4 comentários:

  1. Bom dia Rafaela.. que este portão jamais seja trancado a chaves.. fechar-se as vezes nos protege e nos mostra caminhos.. fechar-se para a vida é mergulhar fundo numa solidão que tem o lado bom e o lado ruim abração e um lindo dia

    ResponderExcluir
  2. Do portão pra dentro ninguém sabe o que se passa numa casa.
    Já escrevi sobre isso. Por mais que a casa seja simples ou requintada...do portão pra dentro os problemas podem ser os mesmos: falta de compreensão, cada um pro seu lado...silêncio e solidão.
    Abraços menina e agradeço todas as suas visitas, é ótimo e importante te receber sempre!

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, Rafaela. Quanta tristeza atrás desse portão, quanta dor, angústia e solidão.
    Vez em quando podemos sorrir, as pessoas podem achar que estamos bem, mas na realidade é pura ilusão.
    Acredito que momentos assim existem na vida de qualquer pessoa, o que ocorre é que devemos lutar contra, procurarmos ser felizes, não deixarmos o portão nos sufocar, nos aprisionar entre quatro paredes.
    Nem sempre será assim, basta nos posicionarmos e dizermos não para a depressão, o desgosto da solidão.
    Um dia, abriremos esse portão, sairemos e encontraremos o amor e ele nos encontrará.
    Já seguindo o teu belo espaço.
    Parabéns!
    Beijos na alma e linda semana!

    ResponderExcluir
  4. Oi Rafa,

    Do portão pra dentro, é um pouco da minha vida esse ano. Graças ao blogue, a você, e a poesia, não me tranco totalmente sabe? Li, reli, e te confesso, que até uma vermelhidão tomou conta dos meus olhos.Não tenho muito que comentar, apenas to sentindo toda força dessa poética.

    Abraços menina.
    Do amigo carioca,
    Dan.
    http://gagopoetico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir