terça-feira, 22 de outubro de 2013

Língua de quem vive





Fala a língua de quem vive,
Cala a voz de quem trava,
Fala gente de norte a sul.
A mesma escrita existe?
E tem o país!
abafa a voz de quem não diz
E dá voz a quem não cala,
enche a boca pra dizer e diz
e o futuro fica por um triz
na boca que mente. 
Quem cala consente?

E quem consente paga?
Quem tem voz fala?
E a voz? vai onde?
na garupa do não dito.
Digo e repito.
Ah essa boca que não cala!
E a língua fala?
E a gramática é a mesma?
E quem ouve cala?
E a língua trava?

Tráva
Trva
Travô!

2 comentários:

  1. Que poesia gostosa...e ainda traz a questão da língua viva e distinta nas diferentes regiões do Brasil.
    Uma coisa é gramática normativa e a outra é a linguagem espalhada em cada meio social, as heranças linguísticas de um povo.
    Parabéns Rafaela!

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Rafaela.. teu versar é bem forte e de muito conteudo sempre.. essa coisa da lingua da voz é sempre assim.. todo mundo repara .. mas deviam reparar no conteudo que sai das bocas pq este é que mais importa.. lindo dia abração

    ResponderExcluir