terça-feira, 15 de outubro de 2013

Somos feitos de momentos






Perdi a hora.
Me bastasse a amargura de andar como o vento
Perdi a hora e ganhei exatos minutos me dados de surpresa
Essa hora tão incerta que já não faz parte do momento seguinte.

Ah, como é amargo não saber das horas!
 Vivendo imortais fragmentos de vida
Estar ausente de gestos alheios
Ter desespero de manhãs.

A hora agora,
Quando eu encontrá-la, esta traiçoeira,
Devolverei a hora que ela me obriga a guardar
e serei toda despida de horas.

E falarei com os olhos no momento do silêncio exato
Para que os risos sejam imortais companheiros
de horas passadas
Infinitos instantes de agora.

3 comentários:

  1. Bom dia amiga Rafa!

    Menina, de gago eu fiquei mudo com aquele seu comentário. Muito obrigado por fazer parte desse meu universo. Considero você a Clarisse Lispector dos dias atuais, com tons de caetano e seu jeito único de escrever belas obras. Você me disse que eu brinco com as palavras, eu já acho que você usa palavras como matéria-prima para construção da sua arte. Uma arte que além de ler, faz a pessoa raciocinar uma interpretação. Ufa, ainda bem que estou escrevendo, porque se fosse para falar, levaria uma hora. hahah

    Falando em hora eu resumo "As Horas" como, aquela frase de Machado de Assis: "O tempo corre, e as nossas sensações com ele se modificam.

    Grande abraço do amigo,
    Dan.

    http://gagopoetico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Rafaela.. como diz meu pai as horas rugem. rsrs elas nos presenteiam com muitas coisas boas e muitas outros nos frustram pq tão rapido passam.. grato pela sua visita.. os mestres um dia vão se lembrar de quem seremos abração

    ResponderExcluir
  3. Vivemos e somos o momento. Muitas vezes perder a hora é o melhor pra desprender do (mal) tempo. E viver o melhor alheia, despida de todas as horas.
    Cada vez que venho aqui, tudo tá infinitamente melhor.
    Abraços!

    ResponderExcluir