domingo, 22 de setembro de 2013

Espelho

Ilustração de Amanda Mol

Que medo é esse 
que me deixa em frente ao espelho?
Que tranca a porta
e conta as horas
 para andar descalço na rua?
É o mesmo que me penteia os cabelos
Sopra minha comida
Deita na grama 
como se fosse cama.

Que medo é esse
de pensar no depois
e encontrar solidão
no instante que abro a janela
Deixando cair o retrato
antigo
Rompendo o laço 
do ontem
Molhar as mãos
em lago profundo 
abrir os olhos
esbarrar no mundo.

Medos são horas 
feitas de solidão
Repousam na moldura do espelho
Pintam paredes cruas
Seguem na volta
na ida 
Medos são famintos 
de vida.


2 comentários:

  1. Parabéns amiga ! Bacana a sua escrita sobre o medo. Quem disser que não tem medo, mente. Todos um medo na vida, que incomoda. O meu medo é da solidão, mas esta, as vezes me persegue. E é na solidão que as vezes me reencontro. Pode parecer contraditório, mas ao mesmo que ele tira uma coragem de mim, me devolve duas, três. Gostei muito !

    Um grande abraço do amigo gago, carioca e seu fã...

    Daniel

    http://gagopoetico.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Rafaela.. muito grato de sua visita .. fico feliz de ter uma nova fã.. tu tb tens um versar muito bonito...
    sobre o medo.. ele realmente nos faz prisioneiros de nós mesmos.. quando o medo comanda não somos donos das proprias vidas.. é bom soltar, deixar ir. e deixar o novo entrar.. um lindo dia querida amiga.. bjs

    ResponderExcluir